16 agosto 2010

MAIS UM TRANSTORNO DA CACHOLA: SINDROME DE BORDERLINE

O texto abaixo foi retirado do blog "Em Busca da Cura":
"Síndrome de Borderline, ou Transtorno de Personalidade Limítrofe é uma expressão utilizada há mais de um século pelos pesquisadores do campo mental, que dela se valem para apontar uma modificação no limite entre a neurose e a psicose ou, como diriam alguns, na linha de demarcação entre a razão e a loucura. A pessoa atingida por esta síndrome apresenta um sério distúrbio psíquico, principalmente na esfera afetiva, no domínio dos impulsos, nas interações com o outro, na sua auto-imagem.

O diagnóstico desta perturbação mental é facilitado pelo próprio transtorno causado pelos sintomas no entorno do paciente, principalmente por atingir os familiares. Normalmente o indivíduo não ultrapassa os limites da normalidade, portanto é raro que ele seja enquadrado em um dos estados emocionais próximos do borderline, tais como a esquizofrenia, a depressão ou o transtorno bipolar.
Esta enfermidade psíquica não é ainda muito conhecida, embora afete indiscriminadamente integrantes das mais diversas classes sociais, pessoas célebres ou anônimas, particularmente as mulheres. Atualmente, o exemplo mais famoso de personalidade borderline é o da cantora Amy Winehouse, que revela em seu quadro dimensões radicais desta Síndrome, especialmente traços de autodestruição – os quais englobam a automutilação, com cortes perpetrados em várias partes do corpo, com a intenção de amenizar as dores emocionais, ameaças e até tentativas de suicídio -, consumo de drogas, intensos arrebatamentos verbais, ataques de agressividade, ilusões e alucinações passageiras, impulsividade desenfreada, sem falar nas constantes alterações de humor, apresentando-se a artista às vezes agitada, em outros momentos totalmente passiva.
Outras emoções despertadas pelo estado borderline incluem tristeza, raiva, vergonha, sentimento de pânico, horror, sensação de vazio e de extrema solidão. A capacidade de obter conhecimento também se encontra comprometida, levando o indivíduo a interpretações diversas sobre o outro, em um instante avaliando-o como um ser bom, logo depois o julgando como uma má pessoa. Além disso, há casos de perda da personalidade e do contato com a realidade. Entre tantos sintomas diversos, o DSMV fixou nove pontos essenciais para que se avalie o distúrbio como Síndrome de Borderline.
A expressão borderline foi utilizada primeiramente em 1884, pelo psiquiatra inglês Hughes, que assim se referia às ocorrências de loucura. Passou-se a usar este termo para diagnosticar sinais muito sérios de neurose. O pesquisador Bleuler julgava os esquizofrênicos como portadores de borderline. Enfim, em 1938, a palavra borderline é oficializada por Stern, que a adota para descrever uma modalidade de ‘hemorragia mental’, a qual ocorre quando se deflagra uma intolerância às frustrações. As pessoas se sentem, então, ressentidas, ultrajadas e emocionalmente atingidas. Grinker, em 1967, realiza pela primeira vez a descrição desta perturbação mental.
Estes pacientes têm intensa dificuldade de se relacionar. Fatores genéticos, abusos sexuais, exposição traumática á violência, são algumas das causas apontadas para a eclosão deste distúrbio, pois provocariam desequilíbrio emocional e comportamentos impulsivos. O reflexo deste problema na vivência social é muito sério, pois há uma grande dificuldade de se relacionar com os portadores desta Síndrome, embora seja necessário amparar e socorrer estas pessoas, principalmente porque o número de suicídios é muito alto, afetando pelo menos 10% dos pacientes.
Tem-se conquistado resultados positivos no tratamento desta perturbação ao se recorrer à psicoterapia, principalmente a cognitiva comportamental. Mas é preciso ser persistente no processo terapêutico, pois esta enfermidade engloba sérios distúrbios de personalidade, os quais deixam o ego vulnerável e passível de diversas quedas, de retorno a um estado de instabilidade."

Fontes:
http://www.fsanet.com.br/site/materia.php?id=607
http://www.cienciasecognicao.org/artigos/m14420.htm

9 comentários:

Methamorfo disse...

Estava com saudades!!!

Ana, estive pensando...
Entendi pq não podemos tentar nos autodiagnosticar...
Pq são tantos transtornos, com nuances tão sutilmente parecidas que até o próprio especialista demora para fechar um diagnóstico.

Qdo li sobre boderline, verifiquei traços característicos que possuo, mas descartei totalmente outros, como a automutilação e a passividade. Se bem que comer compulsivamente e ganhar vários quilos acaba sendo autodestruição...

O fato é que precisamos seguir as recomendações médicas, seguir com a terapia, ter paciência e proteger nossas emoções, pq, fala sério, tem gente que nasceu para tirar a paciência alheia (coisa minha).

Anaaaa, sabe o PF??? aquele site onde postei um texto... Pois é, to sentindo um pouco de futilidade nele, falta de conteúdo, fora que as pessoas fogem de si mesmas para evitar exposição, uma espécie de falso pavoneamento. Uma 'fulana' chegou a dizer que um outro cidadão era histriônico... Parece até que viu o sentido da palavra e sem muito critério tascou na testa do colega virtual. Vou deixar um texto no meu blog sobre mais esse transtorno. O fato é que fiquei p da vida com essa normalóide sem noção e houve uma discussão virtual meio chata... Deixa pra lá.

Obrigada por me visitar de vez em quando. Estou em dia com consultas, medicações e etc., mas me falta algo que nem eu mesma identifico. Um vazio que nada preenche, ou melhor, o que me conforta é somente a voz da minha filha e seu entusiasmo com a vida.
Acho que é característica do bipolar; estou na fase do "quero dar uma guinada na vida!!!", e envolve endereço, casamento, trabalho... Mas só vc tá sabendo desse meu vulcãozinho querendo entrar em erupção. To controlada. Frustrada e controlada.

Ôoooo aluguel!!! Qto é???

Bjo, Ana. Vou dar uma passada lá na "Pensamentos Filmados".

Hidely Miller disse...

Meu psquiatra diz que sou depressiva. Minha terapeuta acha que sou bipolar ou borderline. Eu digo que não sei quem sou.
Sera que ainda vou conseguir saber?
O mundo virtual é o mundo em que vivo.
O mundo real tem sido muito hostil comigo.
Bjs minha amiga virtual....

Quem faz as postagens: disse...

oi Hidely,
e o q é o mundo real?
bom, até hj nao sei direito meu diagnostico. antes fui diagnosticada depressiva, mas posso ser uma bipolar, sou compulsiva, também, tive diversos probleminhas que so recentemente descobri que eram doenças!
o que me ajudou foi aprender sobre tais doenças e me responsabilizar pelo seja la o que quer que eu tenha e ir atras de me cuidar, de entender o funcionamento da minha mente, enfim.
e nesse caminho o que ajudou mto foi o autoconhecimento: meditação, terapias,escrever sobre o assunto, ler depoimentos de pessoas que tb sofrem dessas doenças, enfim.
venha aqui mesmo!
e c vc se interessar entre no nosso site, la tem bate papos com depressivos e são bem bacanas!
recomendo o video "Ex depressivos revelam" o site é www.pensamentosfilmados.com.br na parte "sexo é tabu"
c cuide!
bjoka

Quem faz as postagens: disse...

em busca da cura,
saudade mesmo!
olha se nem medicos conseguem mtas vezes nos diagnosticar imagine a gente mesmo! aí vira o samba do crioulo doido, né!
eu tb sempre tive e ainda tenho a coisa da autodestruição, da compulsão...
o que quero dizer é que o importante é: a gente se cuidar com carinho, mas se responsabilizar pela propria vida, pela doença e ir a luta para se melhorar, pois é possivel.
estava falando com minha mae sobre como a doença nos deixa vulneraveis ao ambiente hostil, portanto ate isso temos que saber como lidar!
boa vou fazer um post sobre isso!
e nao tem aluguel nao, eu alugo vc tb e fica por isso mesmo! hahahah
vou escrevre depois passo no seu blog!
qto ao PF, ja vi milhares de discussões em sites assim, pq? a grande maioria das pessoas é mala! so querem ficar no negativo, na discussão, na agressão, na ignorancia: sinal que precisam ir se tratar tb!
pra mim o planeta Terra é um grande consultório...

aline disse...

OI ANA, FOI MTO BOM CONHECER VC E SEU TRABALHO, NA VDD CONHECI PELA TV......
TENHO DEPRESSÃO A 5 ANOS
SOU BIPOLAR E NA PENULTIMA CONSULTA FUI DIAGNOSTICADA BODERLINE, SOU MTO SOZINHA(EU ME MH DOENÇA)PELO FATO DE NG ME ENTENDE ????? VC DEVE ME ENTENDER NEH RS....TENHO 32 ANOS E UM NOIVADO DE 7 ANOS DESFEITO POR ELE NAUM ME ACEITAR OU MELHOR NAUM ACEITAR A DOENÇA, NA VDD NEUM MEUS PAIS COM QUEM MORO HJ EM DIA "ENXERGAM " MH VISIVEL DOENÇA, ISSO PRA MIM É´PÉSSIMO ESPERO QUE POSSAMOS CONVERSAR SOBRE ESSES ASSUNTOS....BJUS
ALINE

Ana Maria Saad disse...

oi aline!
bem vinda!!!!
aqui a gente entende sim!
essas doenças ainda sao mto cheias de tabus e preconceitos, por isso q a gente deve falar no assunto, ate pra poder suporta-las, né! o caminho é solitario mesmo, mas saber q outros passam por isso e essa troca conforta!
e fale fale fale! quem nao tem nao entende e a gente que tem fica mto calado, pq as doenças nos fazem ficar mais recolhidos, mas quem nao entende so entendera se a gente falar e explicar!
qdo puder entre no meu site, nesse link tem mta informação sobre depressão e bipolaridade, bem como diversos tratamentos q ajudam no bem estar. e la tem tb o filme VIDA disponivel de graça.
http://www.pensamentosfilmados.com.br/br/sexo-e-tabu/

e venha aqui desabafar, crie um blog, pq escrever ajuda mto e conte com a gente! a gente eu digo, meus outros amigos virtuais de blog q tb tem essas doenças!
c cuide! bjoka

Anônimo disse...

Olá,

Li bastante esse sitio, e percebi que a intenção do autor é informar e acessar, de alguma forma, as pessoas que estão em sofrimento. Por essa razão escrevo para solicitar sugestões. Minha cunhada vem apresentando sintomas muito parecidos com a personalidade bordeline, por último se mutilou e encontra-se internada pele segunda vez por tentativa de suicídio. O fato é que já foram feitos encaminhamentos para terapia e ela nega completamente, assim como a familia nega também. Os médicos tem diagnosticado, depressão e bipolaridade. Trabalho na área da saúde e já orientei diversas vezes a família a buscar ajuda mas pouco tem adiantado. Você teria alguma sugestão para despertar nela a importância de buscar tratamento terapêutico?

Anônimo disse...

Ola Ana sou juliana e tenho 20 anos, diz minha antiga psiquiatra que sou bordelaine isso a 1 anos atras. Meu auto- mutilo e faço N coisas, ja tentei suicidio 2 vezes e fui internada 2 vezes a 1 com 17 anos e a 2 com 18, sei la acho que nao sou border, devo ter so uma depressão, mas na infancia tive um grande trauma e qdo completei 15 tdo na minha vida mudou. Vou ver outros medicos para confirmar meu diagnostico. Sou nova por aqui....

Bjuuuuus meninaas.Bjuus a vc grande lutadora ANA.

Ana Maria Saad disse...

pois é, existe mto preconveito com relação aos transtornos mentais e seus tratamentos.
o primeiro passo para q a pessoa busque ajuda profissional é aceitar a doença, mas como aceitar se todo o entorno ignora? como aceitar se a propria familia ignora?
não é facil mesmo, e talvez somente qdo sua cunhada bater o fundo do poço irá entender q precisa iniciar a jornada dela de cura...
quem esta envolta dela pode apoia-la com amor e afeto.
bjoka