25 março 2011

DA ONDE VEM A DEPRESSÃO?

Adoro ler os blogs dos meus amigos virtuais depressivos, bipolares e afins. Parece que viemos do mesmo planeta! Adorei esse post do Rick, pois vem de econtro com o que penso sobre as causas da depressão quando ela acontece na infancia.


                 NÃO PASSA
"Outro dia vi uma entrevista de Sinead O'conor sobre seu distúrbio bipolar. Ela começava dizendo que teve uma infância terrível, cheia de abusos, abandono e medo. E que em algum momento, uma parte de sua mente, não toda a mente, ficou obcecada com idéias de suicídio.
Tenho conversado com muita gente, desde que entendi e aceitei que sofro de depressão. E entre todos os meus "novos amigos" que sofrem de depressão ou bipolaridade há algo em comum. Todos nós experimentamos uma infância de abusos, abandonos e violência. Diferentes abusos, abandonos e violências. Diferentes histórias, diferentes famílias, diferentes infâncias, mas o mesmo sentimento de medo. Um medo que não se sabe exatamente do quê. Um medo que não é reconhecido ou acolhido por ninguém.
Todos os depressivos que conheço sofreram abusos emocionais ou físicos, abandono e violência durante a sua infância. Todos os depressivos que eu conheço tentaram pedir ajuda a um parente, ás vezes à mãe, ás vezes ao pai. Nenhum deles foi ouvido, nenhum deles foi acolhido quando expressava seu medo, nenhum deles teve suas queixas minimamente consideradas.
Todos os meus amigos depressivos tentaram, muitas vezes, dizer aos seus pais ou parentes próximos o quanto se sentiam mal. E ninguém sequer ouviu o que eles diziam.
A morte começou a aparecer na mente de meus amigos e na minha da mesma forma. Quando você morre você pára de sentir. E todos nós queríamos parar de sentir aquilo.
Todos os meus amigos relatam a sensação de que muito cedo foram obrigados a lidar com situações para as quais não estavam preparados. E isso os deixava (e a mim também) apavorados.
Tudo isso me faz pensar que a depressão se origina dessas experiências de medo, abuso e violência.
É como se tudo isso fosse "marcando" nos nossos cérebros, criando cicatrizes, mudando o jeito de funcionar, trazendo idéias de morte, violência e medo. Arrisco dizer que a depressão me parece o resultado de tantas "feridas" na mente. "Feridas" nunca tratadas, que foram se agravando, tornando-se mais profundas e mais dolorosas. "Feridas" que foram piorando ao mesmo tempo em que foram subestimadas e desconsideradas sob a alegação tão comum de que "isso passa com o tempo".
E me deu muita vontade de dizer aos pais uma coisa muito simples: não passa!
Quando você estiver sendo relapso, abusivo, violento ou abandonar um filho, isso não vai passar. Isso será pra sempre. E vai marcar sua relação com seus filhos para sempre. Pode haver perdão, pode haver amor, pode haver muitos sentimentos bons, mas tenha consciência de que quando você abusar emocionalmente de uma criança, ou permitir que outra pessoa o faça, isso será pra sempre. Você estará fazendo esse "machucado" na mente de seu filho, e isso não vai passar com o tempo.
Não tente se iludir achando que sua omissão não terá consequências e que vai passar. Não passa. Portanto não seja abusivo, violento, não abandone... Ou, se isso for pedir demais, tenha o bom senso de não colocar filhos no mundo."

4 comentários:

Sérgio Paffer disse...

Concordo com tudo.Tentei fazer um comentário,mas virou artigo(peco por escrever demais).Mas tenha certeza que quando o fiz,foi no intuito de querer ajudar.É isso,vamos procurar nossos caminhos e pedir ajuda.Foi pedindo ajuda que eu aprendi a me ajudar e hoje em dia,tenho sido um canal de ajuda para outros,o que muito me gratifica.Parabéns pelo blog e pelo artigo excelente,escrito de forma lúcida,inteligente.Você é 10!Se achar que o que escrevi pode ser útil pra reproduzir aqui ou no outro blog me dá um toque.acho que ficou legal,mas talvez eu não seja o melhor crítico de mim mesmo.Vamos reconstruir nossas histórias,juntar os pedaços,fazer novos e se não tiver a gente inventa.O importante é ninguém desistir de si mesmo e ir em busca dos seus caminhos.Abraços.

Anônimo disse...

Olá, Alyson! Como vai?
Na verdade eu queria mesmo era entrar em contato, pois estou fazendo uma matéria e gostaria de conversar contigo. Poderia me dar seu e-mail ou telefone? pode me mandar uma msg no meu e-mail: acarol.nunes@uol.com.br

abs,
Ana

Alyson Daas disse...

oi sergio!
querido vc escrever demaisd mas é porque realmente tem o que dizer!!! esse assunto das doenças e seus diversos tratamentos sao mto pouco explorados entao qdo conseguimos falamos mesmo!!!
to doida pra ver seu blog!!!! qdo der faça um!!! e vamos juntos mesmo!!!
bjoka

Alyson Daas disse...

oi ana,
acabo de t mandar um email!
bjoka