26 agosto 2009

Subdiagnostico e Sintomas

Por Juliana Silveira para Folha de SP,
 "No entanto, de acordo com os especialistas, o subdiagnóstico é muito recorrente e mais preocupante. Para Geraldo Possendoro, psiquiatra e professor de medicina comportamental da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), a sobrecarga do serviço público também contribui para dificultar o diagnóstico precoce. "A consulta costuma ser muito rápida, o que faz com que o clínico foque somente na área dele", diz. Segundo Brasil, é necessária a formação dos médicos generalistas para que o diagnóstico de depressão seja feito mais precocemente.
"O deprimido não procura um psiquiatra, até por preconceito. Ele vai ao clínico, ao neurologista..." O suporte de um psiquiatra no atendimento primário pode ser necessário para que os clínicos aprendam a identificar sintomas de depressão. No entanto, a formação somente teórica não é suficiente para capacitar os médicos generalistas. "Além disso, é preciso dar supervisão, discutir os casos reais desses pacientes. É preciso um psiquiatra para discutir casos de dúvida", acrescenta Brasil. Sintomas A maior dificuldade do clínico-geral é associar sinais que podem ser creditados a outras doenças -como dores, cansaço, falta de ar e de energia- a uma possível depressão. Um estudo realizado com 316 pacientes e 19 clínicos-gerais do Hospital das Clínicas de São Paulo e publicado em julho na revista "Clinics" (periódico da instituição) mostrou que lentidão, cansaço e falta de concentração são os sintomas de depressão mais difíceis de serem identificados pelo clínico durante o atendimento. "No HC, procuramos dar uma formação, mas, diante da elevada prevalência de depressão em atenção primária, acho que o aluno de medicina deveria ter carga horária suficiente na faculdade para ser treinado em diagnosticar transtorno psiquiátricos", sugere Fráguas. Outro sintoma importante e pouco associado à doença, diz o psiquiatra, é a falta de interesse pela vida. "É um sintoma essencial. Dados gerais mostram que 40% das pessoas que têm depressão e perderam interesse passaram por um clínico no último mês. Ou seja, quem tem depressão procura o médico, que deve perguntar como anda o prazer pela vida. O paciente nem sempre está triste quando está deprimido", explica.!"

Um comentário:

A jardineira disse...

Francamente, entendo que clínico geral é uma especialidade em extinção. Pelo menos aqui na minha cidade, raramente se encontra um médico plural, com conhecimento e visão integral. Por isso recorremos direto aos especialistas, "intuindo" o que temos. Eu optei em fazer da minha cardiologista a minha médica clínica. Pq sinto que ela estuda e se recicla mais que os demais. Bjo.