14 agosto 2009

RESPOSTA

Estava escrevendo uma resposta para o comentario de Rodrigo no post anterior sobre espiritismo mas foi ficando tão grande que resolvi dedicar um novo post a questão.
Bom, primeiramente Rodrigo sei que há casas espiritas que de fato ajudam muito as pessoas, assim como conheci alguns depressivos que tiveram grande ajuda de igrejas evangélicas que disponibilizam psicólogos para atendimento ao publico. Há trabalhos eficazes sendo desenvolvidos sem dúvida, em qualquer religião.
 Quando cito centros espíritas não estou incluindo os casos extremos como os que você descreveu, que tratam de pessoas sem acompanhamento médico, e este é o X da questão! O fanatismo que você cita é facilmente identificado, mas quando se trata de casas sérias que estão paradas no tempo, distorcendo os ensinamentos dos espíritos através do filtro particular de dirigentes moralistas a situação fica perigosa. Mais ainda quando a praticidade e o não julgamento para lidar com os frequentadores deixa seu espaço para os achaques e fantasias que segundo alguns médiuns vem de orientação dos espíritos. Inclusive há livros espíritas atuais que alertam para isto como "reforma íntima", "escutando sentimentos" de wanderley s de oliveira e tantos outros.
Tive experiencias ruins com espíritas cultos e sérios, porém ainda tão imersos em algo que acredito ser cultural: a culpa cristã, a qual age inconscientemente dizendo que não podemos ser felizes, que temos que sofrer; ajudar o próximo, quando não conseguimos nem ajudar a nós mesmos...

Um comentário:

A jardineira disse...

Por isso, mesmo me enquadrando na filosofia espírita mais de que qq outra religião, a encaro como doutrina, sempre. Sem idolatrias, rituais e venerações. Centros sérios, com prática de caridade e conforto merecem a minha atenção e o meu respeito.