22 setembro 2010

ANTIDEPRESSIVOS E SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA

Há estudos de psiquiatras renomados que diz o mesmo que o trecho do livro: "Depressão doença da alma" do médico Fancisco de Assis Carvalho: "o uso prolongado de antidepressivos, ao contrário do que muitos apregoam e do que se imagina, não costuma conduzir à dependência química, e somente alguns antidepressivos tricíclicos necessitam de descontinuação gradativa."
Outros médicos como o Dr. Drauzio Varella diz:







"... medicamentos como fluoxetina (Prozac, Daforin, Eufor), paroxetina (Aropax), sertralina (Zoloft) e outros..."
Síndrome de abstinência - ...um dos problemas mais freqüentes associados ao uso desses inibidores é o aparecimento de síndrome de abstinência, quando sua administração é interrompida abruptamente.
Fenômeno semelhante pode ocorrer com outros antidepressivos não pertencentes a esse grupo, como a venlafaxina (Efexor), mirtazapina (Remeron), etc.
Síndrome de abstinência, aqui, é definida como “um conjunto de sinais e sintomas de instalação e duração previsíveis, que envolve sintomas psicológicos e orgânicos previamente ausentes à suspensão da droga e que desaparecem depois que ela foi reiniciada”.
Sintomas da síndrome - A abstinência à descontinuação abrupta dos inibidores da recaptação de serotonina, surge 24 a 72 horas depois da interrupção do tratamento e provoca os seguintes sintomas:
1) Psiquiátricos: ansiedade, insônia, irritabilidade, explosões de choro, distúrbios de humor e sonhos vívidos;
2) Neurológicos e motores: tonturas, vertigens, sensação de cabeça vazia, cefaléia, falta de coordenação motora, alterações de sensibilidade da pele e tremores;
3) Gastrintestinais: náuseas, vômitos e alterações do hábito intestinal;
4) Somáticos: calafrios, fadiga, letargia, dores musculares e congestão nasal.
Na ausência de tratamento esses sintomas desagradáveis costumam durar de uma a três semanas. Embora sejam discretos ou de moderada intensidade na maioria dos casos, às vezes podem se tornar mais intensos e serem confundidos com outras enfermidades.
A probabilidade de desenvolver a sintomatologia descrita é tanto maior quanto mais longa tiver sido a duração do tratamento. As reações geralmente estão associadas com durações de pelo menos quatro a seis semanas, mas podem acontecer depois de períodos de uso mais curtos.
Quanto mais rapidamente for excretado o antidepressivo, maior a probabilidade de surgir a síndrome. No caso de drogas como a fluoxetina que têm meia-vida (tempo necessário para eliminar metade da droga administrada) de 2 a 3 dias, os sintomas de abstinência podem instalar-se mais tardiamente (até uma semana depois da interrupção).
Duas a três semanas depois de instalados os sintomas da abstinência, costuma ocorrer um fenômeno conhecido como “rebote”: o reaparecimento dos sintomas psiquiátricos que levaram à indicação do medicamento..."
Fonte: website do Dr Drauzio Varella  Leia mais aqui

4 comentários:

C. disse...

Quando a gente começa a se tratar e se sente bem pela primeira vez depois do inferno, a gente tem a mania besta de interromper o tratamento. Mania de brasileiro: se automedicar e se "autodesmedicar". Por experiência (eu tomo venlafaxina), posso dizer que foram os piores dias da minha vida: enjôo, azia, tontura, irritação, desespero, ansiedade, insônia... Fiquei imaginado o que passa um dependente ao largar as drogas. É terrível. Nunca, em hipótese alguma, façam isso. Não há remédio q faça passar essa loucura a não ser o que desencadeou a crise. Tomei Dramin pela primeira vez nesses dias para aliviar o enjôo, que era tamanho que eu nunca tinha sentido. Só piorou. Tudo ao redor parecia irreal, é uma sensação bem estranha e horrorosa.

Se seu médico disse que pode parar de repente, mas a bula fala o contrário, desconfie. E nunca tome a decisão por conta própria (meu caso). É burrice!! :)

Beijos
Carina

Quem faz as postagens: disse...

pois é ca!
remedio é coisa séria!
tem muitos medicamentos que são liberados ficam anos no mercado depois descobre-se que o danado faz mal e eles retiram. portanto é preciso mesmo c cuidar com atenção e carinho!
fique bem!

bjoka

ert disse...

deixei de tomar sertralina por dois dias, a receita venceu e minha consulta eh amanha... nao sabia que os sintomas eram desse nivel, pensamentos extremamente negativos, enjoo, confusao mental, sem fome... to intocado no meu quarto escuro nevegando na net procurando sobre ''vida apos depressao''... tomo tb amilssuprida (neuroleptico que em baixas dosagens trata distimia) perdi a data da receita... em acordo com meu psicologo deixei de pegar outra receita para me a ver com meus pensamentos e anota-los... meu Deus, estava folheando e vi coisas inimaginaveis que escrevi e desenhei... nao posso ficar sem remedios tao cedo... senao nao sei o que pode acontecer de ruim na minha vidazensua

Geh disse...

Faz mais ou menos uma semana que deixei de tomar a Paroxetina abruptamente. Olha, não está sendo fácil... Muita dor de cabeça, tontura, tremores, crises de choro, enfim... Uma droga. Mas eu vou aguentar até o fim, vou me ver livre dessa droga, a Paroxetina. Vou me curar das minhas fobias e tristezas com a minha força interna(que vai ter que aparecer) e com a força da família e dos amigos. Ah, e também da música, que sou apaixonada.