14 abril 2009

SÍNDROME DO PÂNICO

Ao longo da minha vida de 27 anos tive alguns poucos episódios de síndrome do pânico. A primeira vez foi quando estava péssima da depressão. Durante o ataque sentia mal estar e ao mesmo tempo um alívio, como se minhas preces tivessem sido atendidas e eu finalmente fosse morrer. Mas o coração disparado foi se acalmando, o corpo foi traquilizando, enfim a crise foi passando e eu não morri nada. Fiquei muito confusa, uma amiga experiente em depressão e pânico me explicou que aquilo não era a morte se aproximando nem ataque cardíaco, somente mais uma agregada da doença. Achei muita sacanagem!
 Para quem já sofria tanto de depressão e queria morrer para acabar logo com o mal estar, ainda teria que lidar com uma prévia da morte. Achei tanta sacanagem que talvez tenha influenciado os episódios a serem poucos, acho que nem chegaram a quatro. Até esta Páscoa. Ontem depois do doce feriado, literalmente falando, não sei se o fato de ter tomado anestésico local influenciou ou não, só sei que tive o ataque de pânico mais severo de minha vida. Meu coração foi disparado em minha garganta, meu corpo achava que morreria, mas eu sabia que não, minha mente maluca começou a pensar trocentas coisas ao mesmo tempo, claro que todas pessimistas, a mente doida parecia uma centrífuga prestes a decolar. Um lado meu acalmava o corpo e a mente, pedindo calma a eles, fazendo o corpo respirar de modo completo. Graças a prática de Yôga, a respiração foi o que me ajudou a segurar o corpo e a mente chiliquentos. Senti como se tivesse vivido dez dias em um. Enfim, fiquei assustada, fazia já uns bons meses que não tinha pânico. Passada a tormenta senti tanta tristeza, fiquei tão fora do ar e ainda estou. No meio da noite acordei e foi a mesma coisa: o corpo e a mente chilicando... Não entendo mais nada, se é que já entendi! O que me me confortou além dos entes queridos, e minha prima Alge foi um e-mail inesperado e belíssimo que recebi de uma colega que tive em um curso a uns dois anos atrás, Camila obrigada! Obrigada por dividir suas incertezas e angústias tão humanas comigo! Me fazendo encarar esta doença e chiliques, a angústia e o excesso de sensibilidade como perfeitamente naturais. Bjo para vc, minha família amada e meus amores de amigos! e obrigada a escola de Yôga por existir e aliviar bastante meu sofrimento

3 comentários:

camis disse...

obrigada, muito obrigada mesmo.. pela retribuiçao do meu carinho dessa forma tao linda!!!!! :)

No problem. disse...

So tive dois ataques de pânico em toda minha vida, um foi na igreja, estava logata, e outro no meio de um show, sorque que foi na rua, o rui é que geralemnte meus nervos estão ligados a meu estomago, ai veio a velha vontade de vomitar, e tontura, se falar no coração querendo sair pela boca, depois de vomitar melhora, ainda bem que deu tempo pra correr e sair do meio da multidão, pensando nisso agora, nunca estamos realmente sozinhos, huahuahuahuahauhauahua


PS: A verificação de palavras me mandou digitar, espatife, hehehe.

alyson daas disse...

é no problem,

bom humor sempre!!!

bj