08 julho 2009

TRANSFORMER

Mexendo nos meus escritos achei o desabafo abaixo escrito a um ano atrás, fico feliz de ver como a culpa já foi embora! e o mal estra já não é tão avassalador. Tudo passa e nos tranforma... "Aqui estou sentada em frente ao computador. Sinto medo do que minha alma escavadeira jogará para fora. Fujo de mim, porque cavocar no meio desse lamaçal será pura sujeira. Quantas palavras de conforto tenho ouvido, mas parece que meu aparelho auditivo está fraco. A chaga na alma é mais poderosa e domina.
A teoria dos livros é excelente, mas na prática como fazer? Como um depressivo faz para sentir prazer novamente, para desacelerar porque acabo fazendo tudo correndo como se cumprisse prazo, um prazo do corpo que até para tomar banho reclama, então faço tudo correndo assim faço. Em outras épocas estou lerda e aí fico pior. Minha mente me enlouquece porque ela não me aceita. Não aceita a doença, então começa a maquinar mil maneiras de tentar controlar, maneiras que só me cansam mais e me pioram porque aí vem a culpa. A mente se preocupa com tudo e quer cumprir os prazos para dizer que está tudo bem, mas a alma cansou, não quer mais a mente controladora, porque eu preciso simplesmente derreter. Ser e parar de pensar e viver, se for a dor que seja inteira. Mas como a dor da gente incomoda os outros! No elevador se você sorrir e gargalhar tudo bem, mas se chorar... Se você comenta que está depressiva dizem para não ficar assim, como se eu tivesse levantado um dia e decidido: vou ser depressiva. Aí comento como é grave, como penso em suicídio e as pessoas me reprimem e cortam o assunto. Me ouçam por favor, porque senão a mente que quer ser aceita toma conta e eu viro pedra. De tanto fingimento que minha mente atriz faz. O turbilhão e a perturbação que advêm dessa doença destroçam minha alma. Adoraria sentir prazer na vida de verdade, não ter que fingir sorrisos porque é mais fácil, caso contrário pedem explicação e eu não sei me explicar, não gosto. Sou muito confusa. Sei do meu orgulho que preciso transformar, mas se perguntarem uma qualidade minha preciso pensar! Meu Deus, não quero me odiar! Quero resgatar o amor por mim, o respeito, quero me perdoar, quero ter paciência comigo por estar assim! Mas não consigo! Me cobro o tempo todo e esta doença me afunda cada dia mais. Desculpem tenho depressão, se fosse câncer jamais pediria desculpas, então percebo que eu própria julgo muito, por isso quero resgatar a criança, a moleca que me dá a mão. Chega se é para ser triste serei por inteiro, vou ter que mergulhar nisso e fazer essa mente parar de comandar e se transformar em serva. É uma briga dentro de mim. Chega! Só quero ser, assim, assado não importa. Meu corpo está cansado sem energia. Para acordar é um parto e para ir dormir uma luta. Nem brigadeiro quis! Não como mais direito porque não tenho prazer na comida e ela está até me fazendo mal. Nada mais tem importância, mas minha mente com medo dessa transformação fica criando importâncias para mínimos fatos. O pior é a angústia. Esta sim é uma inimiga. Como perturba, como machuca! E o que faço? Alem dos tratamentos caros e da culpa por gastar tanto dinheiro com saúde! É essa culpa, preciso me desculpar por existir! Porque eu me martirizo tanto! Tanto pessimismo... Essa doença e de enlouquecer. Deus queira que nos momentos críticos eu me segure para não me assassinar. O que eu faço? Não consigo viver! Fazer mínimas coisas, pareço um robô! Mas agora aceito que terei que me aceitar, e deixe sangrar! Tô me esforçando muito, Deus sabe, só eles e eu. Sou peixe fora do aquário me debatendo e os peixinhos dizem para eu voltar pra água que é fácil, basta dar um grande pulo! Mas como??? Como se não sou sapo e sim peixe! E um peixe nunca será um sapo, assim como uma roseira não dá tulipas! Sou assim, peço desculpas a mim, me desculpe eu, por favor! Me aceite mesmo com a dor, porque só assim a criança me dará a mão!"

2 comentários:

A jardineira disse...

Tá vendo? Nunca se esqueça da soberania do tempo...
...os dias que virão ainda serão melhores que os de hoje. Bjo.

Delly disse...

Querida amiga, eu sou exatamente igual a você. Sei o que sente e o que pensa. O que posso te dizer? Seja você mesma, como puder e quando puder.
Quando conseguir sorrir, sorria. Quando não conseguir, fique quieta no seu canto.
Não importa se as pessoas se afastarão pois, quem gostar de você, gostará do jeito que você é.
Já te disse uma vez e repito, a nossa missão aqui na terra é viver, até o dia que o Pai nos chamar por vontade Dele, portanto viva, ainda que isso signifique, apenas respirar, em alguns dias e, sentir-se bem em outros.
Um grande beijo,