23 junho 2009

"CARAS"

Hoje no frenesi da bicicleta ergométrica, misturado ao suor e ao surto de querer mais e mais endorfinas, quando dei por mim estava aos prantos! imediatamente fiquei um pouco envergonhada (na verdade muito) com a possibilidade de alguem me flagrar (sou bicho do mato), afinal o meu pedalar parecia com uma hélice de ventilador que roda em sua máxima potência, enquanto meu choro era como o da Chiquinha, amiga do Chavez, depois de apanhar de alguem: uma cena no mínimo curiosa. Baixei a cabeça e disse para mim mesma: "se controle menina! Claro não precisa sufocar o choro, mas também não precisa deixar os fregueses do boteco da esquina saberem que você está chorando!".
O choro foi diminuindo, nem me lembro como parou, porque em seguida me lembrei que durante minha adolescência até uns 19 anos comprava muitas revistas femininas e de moda, e era usando suas páginas recheadas de muito glamour que alimentava mais ainda as fantasias que criava para fugir da realidade e de algum modo cessar minha existência, sem que para tanto tivesse que recorrer ao meu próprio assassinato. Lembrei que em uma época chegava a comprar "Caras" e a imaginar que a vida daquelas pessoas nas fotos eram perfeitas, nem banheiro elas precisavam usar! Era como se fossem extraterrestres privilegiados e eu uma terráquea sofredora que nem ao menos merecia a chance de viver a minha própria vida que implicava em enfrentar a doença depressão e todo meu histórico traumático, salpicado de felicidade também. Era me entretendo com a vida das celebridades brasileiras que me anulava cada vez mais, usando tais revistas para de alguma forma saber que em algum lugar existia a felicidade, só que ela jamais estaria perto de mim. Despertei quando fui a uma formatura e ouvi o professor homenageado fazer um discurso bonito sobre a vida e nele ele falava sobre as revistas femininas e de fofocas, não dizia mal delas e sim do uso errado que os leitores podem fazer, pois assim como em bebidas alcoolicas lemos "aprecie com moderação" o mesmo deveria estar incutido na mente dos devoradores de tais publicações. Ele tinha razão, afinal "lendo Caras" estava longe de ver o meu coração...

8 comentários:

Lu disse...

Doudouce, "Caras" foi com certeza em certos momentos inspiraçao para a criaçao do Dagoberto, da nossa tia rica de Nova York...é, os que nao morreram, mudaram.
Bom te ver ouvir teu coraçao.

bisous

A jardineira disse...

Engraçado. Eu também tinha essa mania quando criança. Mas por ser pobre e ver aquele universo tão distante...
...via as revistas e pensava: "isso eu quero, isso eu não quero. É um outro tipo de carência.
Mas, Lys, sobre esse comportamento antagônico no mesmo momento (as pedaladas sem freio e o choro compulsivo), você já esgotou as possibilidades da medicação? Porque o estabilizador de humor que tomo têm me dado bons resultados. Será que não vale a pena conversar com seu médico sobre isso. Me dói o seu sofrimento. Mas não perca as esperanças! Bjos.

No problem. disse...

Eu aqui outra vez, antes diser que te adicionei "os blogs ficam lá em baixo no meu". Realmente a gente se ilude, eu às vezes pensava o porque de não ter nascido magro, bonito, ter o corpo da moda, essas merdas "desculpe" todas. Parece que ver a vida de gente famosa só piora, isso me faz agradecer por só ter lido quadrinhos de super herois, esses pelo menos eu sabia que não podia imitar. Abraço

alyson daas disse...

oi jardineira flor!

não se doa por mim, please! estou bem dentro da minha condição humana depressiva. vou te contar uma coisa: são nas crises de choro em que mais descubro respostas. chorar me faz bem, me ajuda na purificação! meu tratamento ta otimo (hehehehe), quer dizer em uma fase de limpeza total, uma bagunça caotica mas tem tido eficientes resultados. assim que tiver tempo vou ler todos os seus posts!!! adoro!!! bj grande c cuide! e sua atenção e carinho me comovem!

Ana Ferraz disse...

Poxa, estou muito querendo assistir o curta
V.I.D.A e não consigo através do site...
Tem outro caminho?
Obrigada

Vera Helena disse...

Lys

Estou com uma lembrancinha de Berlim procê.

Bjs

Verushka

alyson daas disse...

oi ana,

que pena vc nao conseguiu ver o filme! se vc quiser me mande um email a gente ve a possibilidade de enviar uma copia pra vc!

alysondaas@gmail.com

bjoka

alyson daas disse...

verinha

que saudade!!!!

muito obrigada bela! sabe que para mim um dos presentes foi aquela foto do predio colorido! eu praticamente me apropriei dele!

bjoka

tentarei ir visitar seus pais esta semana!